quarta-feira, 30 de setembro de 2015

K

verdana























As palavras já não têm álibi,
já não são belas,
já nada designam
a não ser o escuro
da sua ocultação.

Nada as justifica,
nada as perdoa,
nada!
a não ser 
o seu ajuntamento 
a que chamam texto.


As palavras já não se guardam,
já não nomeiam o presente
em textos diários 
de pequeno-almoço.
já não guardam o prazer
indizível da leitura,
no conforto das luzes baixas.

Hoje,
são apenas 
rutilâncias paralelas,
amontoados de letras,
escritos que vendem 
tudo o que quiseres,
sobretudo o silêncio
da parede
cujo imperativo é escutá-lo.

As palavras não têm álibi,
conversam no escuro
da sua ocultação,
trânsito de Vénus,
semi-eclipse de ideias
esbatendo-se
na modorrice dos dias.

("Guarda a tua boca das palavras insensatas.
É nos teus lábios que se encontra a vida e
a morte. Sê sábio, se não puderes elogiar,
cala-te!" Fala de Jesus, dito o Cristo, ao seu 
discípulo amado)

(fonte da imagem:
foto do autor obtida com telemóvel
em Santa Marta-Lisboa, algures
em 2013)

Etiquetas:

domingo, 20 de setembro de 2015

K

Outono II



Apesar do calor,
da luz,
o Outono insinua-se,
espreita
por detrás das árvores,
num meio-sorriso
de emergente vitória.
E, numa tela
de Silva Porto,
pressinto
o bafo tranquilo
de uma era que se pressente.


(fonte da imagem:
http://aarteemportugal.blogspot.pt/2011/12/antonio-carvalho-de-silva-porto-1850.html)

Etiquetas: ,

domingo, 13 de setembro de 2015

K

Manhã dolorosa


Foi no dia em que o imperador se 

curvou perante a morte.

A guarda imperial prostrou-se nas 

escadarias do palácio.

Suavemente, os outros guerreiros 

ajoelharam depondo as espadas, as 

lanças, os escudos. Faziam-no 

ingenuamente: inútil é lutar com a 

morte: se esta levara o imperial 

senhor, por que não o faria com eles, 

os mais fortes de entre os mais fortes 

de todos?

Agora, o império era um campo 

desguarnecido, território jacente numa 

aflitiva abertura à Europa.

(Publicado em 77 palavras, o blogue de Margarida Fonseca Santos)
(Fonte da imagem: https://bibliblogue.files.wordpress.com/2014/04/manfred-von-richthofen-4.jpg)

Etiquetas:

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

K

partida

Apago-me
na semi-obscuridade.
Vejo um limiar,
uma semi-luz
que me abraça,
numa letargia doce
que me semicerra os olhos.
É uma linha,
uma gentil, doce linha,
que me lava os olhos.
Sinto a cabeça já longe,
na distância rouca
de um tempo
que irei conhecer.
Vejo as mãos,
os dedos estendidos,
num quase cumprimento,
melhor, num adeus.

Etiquetas:

"[...] Apesar de tudo o que se passa à nossa volta, sou optimista até ao fim. Não digo como Kant que o Bem sairá vitorioso no outro mundo. O Bem é uma vitória que se alcança todos os dias. Até pode ser que o Mal seja mais fraco do que imaginamos. À nossa frente está uma prova indelével: se a vitória não estivesse sempre do lado do Bem, como é que hordas de massas humanas teriam enfrentado monstros e insectos, desastres naturais, medo e egoísmo, para crescerem e se multiplicarem? Não teriam sido capazes de formar nações, de se excederem em criatividade e invenção, de conquistar o espaço e de declarar os direitos humanos. A verdade é que o Mal é muito mais barulhento e tumultuoso, e que o homem se lembra mais da dor do que do prazer."

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue! Sopro Divino

eXTReMe Tracker
tag -->