quinta-feira, 28 de agosto de 2014

K

oferenda


Gosto de oferecer livros. "Oferecer" (oferta) e não "dar" (uma doação).
Uma “oferta” que é quase uma “oferenda”: uma quase oferta a Deus, mas também o que se oferece para uma boa obra.
E que melhor obra haverá do que oferecer a alguém que prezamos um passaporte para uma viagem? Tantas vezes embarco sem destino quando abro um livro pela primeira vez…
Há rotas incertas: há livros que não proporcionam boas viagens, claro.

Gosto de oferecer livros…
(foto do autor
obtida com telemóvel:
Santa Apolónia, Lisboa, 2014)
(publicado no blogue
77 palavras
de Margarida Fonseca Santos)

Etiquetas: ,

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

K

cá e lá...




Parei,                                                                       Flutuando,
melhor,                                                                    oscilando
deixei de escorregar;                                                num ciclo bombeado;
o silêncio, o cheiro a éter                                          um leve odor,
mesclado,                                                   uma mescla avermelhada,
o claro omnipresente,                                               um silêncio,
deslizavam-me                                                         ele próprio
pelo branco da vista.                                                em tons de grená;
A custo,                                                                   apenas aquele ritmo,
semicerrei os olhos,                                                 aquele batimento,
tentei que um bem-estar                                           bem marcado,
transcendesse                                                         que tanto a aconchegava.
o indefinido,                                                             Um dia,
luminoso,                                                                 impulsionada
que me invadia,                                                        sabe-se lá por quê,
conquistava até.                                                       Sentiu-se rodar
Tentei não tremer,                                         e a ver tudo ao contrário,
tentei uma imobilidade                                   e a ver tudo tão estranho.
segura,                                                                     Mas reconheceu
tentei que o Universo                                                facilmente,
parasse, também,                                                     o local onde vivia,
e que me deixasse vivo,                                           os batimentos
queria o impossível…                                               marcando o tempo
acabei por desejar                                                   que parecia
um botão                                                                 mais e mais desigual.
que me desligasse                                                   Continuava a tocar,
a consciência,                                                         a reconhecer
que me fizesse                                                        cada ponto            
resvalar pelo sono dentro,                                       que a rodeava,
na fuga                                                                    mas tudo
obsessiva da dor.                                                    lhe parecia diferente.
Não dormi,                                                             Tudo o que a envolvia
mas lentamente,                                                       lhe parecia menor,
gradualmente,                                                          menos infinito, talvez.
as forças iam-me faltando,                                       Continua a ver-se,
o enfermeiro marcava-me                                        claro,
os dias,                                                                   mas as sombras
quase reconheci o médico                                        projectavam-se
sussurrando,                                                            de modo distinto.
abanando a cabeça.                                                 Afinal,
Já nem sabia                                                            o que mudara?
o que mais desejava:                                                Ela ou
se o contínuo resvalar                                              o que a cercava?
para o desconhecido não-ser,                                  Ou ambos?
se a escalada de regresso.                                       Uma sensação
Vivia agora                                                             de mistério e desconforto
entre os sonhos                                                       percorriam-na.
e as tomas                                                              Algo estava
de medicamentos:                                                    para acontecer.
já nem distinguia                                                       Os batimentos
bem uns dos outros.                                                 eram outros,
Sonhando ou não,                                                    mais fortes
cada vez resvalava mais,                                          aproximando-se,
as dores já tinham                                                    como se algo
ido à minha frente.                                                    estivesse também aí,
Parecia                                                                    vasto, amplo
que começava                                                         como ela
a resvalar cada vez                                                  jamais conhecera.
mais rapidamente,                                                    Já eram batidas,
que o sonho morrera.                                               empurrões,
Sentia-me                                                                sentia-se
a passar                                                                   a percorrer
por um túnel,                                                           um buraco
um clarão doce,                                                       asperamente iluminado
uma luz diferente.                                                     por uma luz diferente.
Senti-me como nunca antes,                                     Sentiu que lhe tocavam,
empurrado;                                                              que a puxavam;
quem fora,                                                               já nem era a mesma,
já nem sei agora                                                       ela nem sabia agora         
o que fora,                                                               o que fora,
quem fora;                                                               quem fora;
apenas soube                                                          apenas soube
que                                                                         que
                                         FEZ-SE LUZ!


                                                                                                 


                                                           

Etiquetas: ,

sábado, 2 de agosto de 2014

K

a espera da palavra

Levanta a cabeça,
nem seques as sandálias,
o caminho apressou-se a ser teu.
Olha os arbustos,
deixa que as borboletas te sejam favoráveis,
coloca as tuas palmas prontas para dar 
e que os ventos te sejam desiguais,
como desigual foi a espera da palavra
que esqueceste.


Etiquetas: ,

"[...] Apesar de tudo o que se passa à nossa volta, sou optimista até ao fim. Não digo como Kant que o Bem sairá vitorioso no outro mundo. O Bem é uma vitória que se alcança todos os dias. Até pode ser que o Mal seja mais fraco do que imaginamos. À nossa frente está uma prova indelével: se a vitória não estivesse sempre do lado do Bem, como é que hordas de massas humanas teriam enfrentado monstros e insectos, desastres naturais, medo e egoísmo, para crescerem e se multiplicarem? Não teriam sido capazes de formar nações, de se excederem em criatividade e invenção, de conquistar o espaço e de declarar os direitos humanos. A verdade é que o Mal é muito mais barulhento e tumultuoso, e que o homem se lembra mais da dor do que do prazer."

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue! Sopro Divino

eXTReMe Tracker
tag -->