quarta-feira, 31 de março de 2010

K

evolução

Caminho convulso entre restos de mim. Talvez recorde tempos felizes, gratos de vida. Sei hoje que já não tecerei mais quimeras. Arrasto todo o meu passado na repetição tragada do remorso. Aos aromas de primaveras recordadas nada sobra, a não ser a fuga de inteiros soluços.



Voltei. Trago entre os polegares a evolução fugaz de quem teima em caminhar com os olhos postos nem se sabe onde, se dirige para o absurdo e insiste em proclamar-se "sapiens".
 
(inspirado num poema de marés,
publicado no seu blogue)
(fonte da imagem:
http://commons.wikimedia.org)
 

Etiquetas:

sexta-feira, 26 de março de 2010

K

remanescer

Na penumbra dos teus afectos,
flutuavam aqueles despojos
das vitórias ocultas,
das eras frugais,
tão escassas,
tão vagas
tão vis










(fonte da imagem:

Etiquetas:

terça-feira, 23 de março de 2010

K

olhares

Pelos olhos de alguém,
há vestígios de pelejas,
que surgem sonantes,
pelo meu férreo silêncio...
Minhas mãos vazias,
trazem as brisas áureas, 
quentes, que, dantes,
arrastaram o meu povo...
Hoje, o mar não chama:
há caminhos distantes,
ausentando-se pelas orlas
de sonhos vítreos, esquivos...
(fonte da imagem

Etiquetas:

sábado, 20 de março de 2010

K
Se a noite bradar,
se a sua boca
mergulhar no fosso dos tempos,
então saberás
que os antigos deuses
deslizam moribundos
pelas sua peanhas,
em trejeitos de pó,
de vil esquecimento (...)
(fonte da imagem:
www.meupapeldeparedegratis.net)

Etiquetas: ,

terça-feira, 16 de março de 2010

K

cor.pt

Quando a tua história
se prostrar nos meus joelhos,
quando o teu sorriso
se pendurar no meu pescoço,
quando as tuas fábulas,
se derem a mim por inteiras,
então poderás dizer:
"sabes-me de cor,
na cor dos meus sentidos"
(fonte da imagem:
yadayada.hex.com.br/)

Etiquetas:

domingo, 14 de março de 2010

K

alvor

o meu peito
já não busca o sonho;
o meu riso
já não busca a vida; 
no atalho que me concedeste,
apenas vivem o poente
e o espólio da minha alvorada










(fonte da imagem:
http://www.tripadvisor.com,
"O amanhecer em Olímpia")

Etiquetas:

quinta-feira, 11 de março de 2010

K

A uma mulher assombrada














Subiste pela fraga do silêncio,
eram teus os pés que rastejavam,
frios, pela longitude do descuido,
entre as urzes da diáspora.


Já não conheces os teus filhos,
esquecidos noutros braços,
no espaço da tristeza,
da palavra mal ancorada.


Por que caminho,
por que atalho
singraste, doida?


Por que queres fundir-te
nas velhas tranças
do sol poente?


(Poema dito a 10/3/10 por
Renata Pereira Correia, no
programa "Momento de Poesia" na
Azeméis Fm Rádio em 89.7
ou site http://www.azfm.com/ )

(fonte da imagem:
http://escolaprof.wordpress.com/,
"Maternidade"; Almada-Negreiros)

Etiquetas:

quarta-feira, 10 de março de 2010

K

em azul

Justa é a vida
se a quiseres,
mesmo que o teu corpo te aperte...

(inspirado num poema de moriana
publicado no seu blogue)
(fonte da imagem:
http://www.baixaki.com.br/)

Etiquetas:

K

palavras

São minhas as palavras
que me corroem,
me arrojam a mente pelo papel.
Entre dois substantivos
o verbo não se aquieta.
Esfuma-se a ideia,
o sentido.
Passa o deserto pela Língua
que, espúria, me atraiçoa
o sentir.
Em vão, junto os pulsos aos céus,
a minha cabeça tomba,
e um corropio feérico,
desnuda a Palavra,
seca, casca de nada,
bocejo finando-se
in sfumatto
(ad miseria mundi...)













(fonte da imagem:
http://www.iar.unicamp.br/)

Etiquetas:

sábado, 6 de março de 2010

K

(des)caminho





Caminho grave,
sem sentido,
a rota resvalou
mágoa abaixo,
o trilho, esse,
quase férreo,
escapou-se pelos meus olhos.
O passo torna-se infantil,
quase gatinhado;
a Lua não sobe,
os pastos, imóveis,
nem dão pelo vento,
pelas razias doces, apopléticas.
Quase vi o frio,
soberbo,
banhando-me o cabelo,
em valsas obscuras,
anelando-me a blasfémia.
A vista esqueceu-se:
nada mais há para caminhar,
os juncos nada apontam,
as passadas recusam-se:

"E, (...) fenece esta primeira farsa."
(Gil Vicente in "Auto da Índia")
(fonte da imagem:
http://www.prmoises.com)

Etiquetas:

quarta-feira, 3 de março de 2010

K

a procura

Esquecimento,
por entre os lábios
sopras ocasos velados.
De nada te vale
a marca do tempo,
a obliterada glória do fogo...













(fonte da imagem:
www.abcgallery.com,
Giuseppe Arcimboldo:
"Fogo")

Etiquetas:

"[...] Apesar de tudo o que se passa à nossa volta, sou optimista até ao fim. Não digo como Kant que o Bem sairá vitorioso no outro mundo. O Bem é uma vitória que se alcança todos os dias. Até pode ser que o Mal seja mais fraco do que imaginamos. À nossa frente está uma prova indelével: se a vitória não estivesse sempre do lado do Bem, como é que hordas de massas humanas teriam enfrentado monstros e insectos, desastres naturais, medo e egoísmo, para crescerem e se multiplicarem? Não teriam sido capazes de formar nações, de se excederem em criatividade e invenção, de conquistar o espaço e de declarar os direitos humanos. A verdade é que o Mal é muito mais barulhento e tumultuoso, e que o homem se lembra mais da dor do que do prazer."

Iniciativa Legislativa de Cidadãos contra o Acordo Ortográfico. Leia, assine e divulgue! Sopro Divino

eXTReMe Tracker
tag -->