quarta-feira, 26 de julho de 2006

(...)

Lúgubres luas
raiam refulgentes
sobre as secas
e lavadas lages.
Raios rutilantes,
sulcam as selvagens
lodosas lamas...
tiritam, tremem,
isoladas, hirtas.
Gemem juntas,
sorvendo
mágoas, maleitas
de dias distantes...

quinta-feira, 6 de julho de 2006

A um navegante

In memoriam
Fernão Mendes Pinto

Sentado no molhe,
um marinheiro
a quem o mar já não chama.
Um horizonte carregado
de alma,
de sonho
e memória.
No bolso,
um papel dobrado:

Onde
Caibo?
Este
Atlântico
Não me
Ouve.

Chove;
as águas mergulham
sobre si mesmas.
Correntezas antigas
flúem nas lembranças
que já não vêm…
Gritos abafados de gaivotas
levam consigo
velhos pergaminhos
há muito esquecidos…

quarta-feira, 5 de julho de 2006

Terra

Aqui te habito...
Tuas fúrias levam-me,
trazem-me...
surpreso da tua força,
tento reerguer-me,
numa fugaz luta desigual.
E tu sorris,
sorris sempre,
do que faço
para te agarrar,
não me fugires,
com esses outros,
também teus,
meus irmãos de rota,
nesta fragata
que nunca ancora,
que sempre voga,
e que de baixo de si,
ao seu ventre,
inadiável,
hei-de baixar...